Posts tagged “ser

Fluires


Existence, originally uploaded by Soul101.
.

A sucessão do tempo é uma condição
inexorável ao perpetuar da existência.
Todavia,
também é a seda que abraça a essência do sentir.

O tempo fluiu,
mas ainda hoje me renovaste o coração!

 

in √81 = IX ?

Anúncios

Rosto(s)


VFS_1695, originally uploaded by vfsphotos.

Os sentidos dentro do coração fazem as faces do vento.

Brisas de arrepios, lágrimas perdidas,
que tecem as memórias do tempo
partilhadas nas areias das praias antigas.

Somos desejo sem ser.

Livre,
espontâneo,

que corre para a consumação dos sonhos.


Amapolas


Amapolas, originally uploaded by ·GeorG·.

 

a inevitabilidade da crença deve conduzir ao rasgar da fé.
nada é perfeito, nada fica incólume após o toque humano.
e sente-se a raiz do choro,
cujo advento faz a proclamação do trilho terreno,
que alimenta a condição mortal.

nos momentos em que os halos vermelhos se erguem
para a redenção,
existência acontece pelo verter das lágrimas
que sucumbem às echarpes em luz solar.

talvez a ilusão seja uma necessidade?
mas, apenas o sonho é seguido,
apenas o sonho propícia a expiação.

ser ou dever ser,
é a constante do diálogo.

que produz as cores do horizonte.

 


… Nada Ser

 

Nada sou!
E contudo, sou.

Sou, porque tu és,
porque fazes com que seja.

Vamos dar asas ao desejo.
Explorar o lugar onde o tempo pára
ou atravessar a pálida névoa
no cosmos das águas tranquilas,
onde reside o verbo,
onde o espírito se aquece
e a alma se refresca.

Vamos dar asas ao desejo.
Mergulhar no impulso do inúmero
ou calcorrear as cascatas do céu
no infindo das terras sagradas,
onde tudo é harmonia,
onde se vê o incomensurável
e se sente o improvável.

Sim, vamos dar asas ao desejo!
Deixar que ele nos leve à génese do ser
e ser qualquer nudez na fluidez do nada.

Se nada sou
e mesmo assim sou,
deixa-me Nada permanecer
e contigo apenas Ser.

in Interlúdios da Certeza


Transfiguração


03, originally uploaded by It’s just Jack.

 

renova o todo que te faz.
sê o próprio furacão!

faz amor com as palavras,
funda a alma ao corpo
e beija com o coração em pureza.

é no turbilhão dos sentires
que todo o verbo se conjuga.

e o que é, ser-te-á retribuído

em amor e criação!


Ternura Azul

Silver moon, originally uploaded by Spy to die 4.

 

depois do fragor do ruído
a memória da conquista é breve.

sobra a espuma nas conchas
em momento de nudez
                                           luar.

ondas lisas em prata
no silêncio do mar.

nesse sonho repousa o búzio,
em teu nome,

murmúrio.


I

 

árvore!
horizonte!
consciência!
profundo!

É nesse ondular que
se cruzam as múltiplas dimensões.

sopros caídos, acenos escritos.